Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

Somos todos Chapecoense

Jamais contaremos os mortos da tragédia. Jamais saberemos ao certo o número de mortos. Somos hoje todos desaparecidos.




Es bueno...por Mario Bendetti

Porque hoje é sábado, minha dica de filme: A tartaruga vermelha

O filme não tem diálogo e mostra um homem perdido em uma ilha deserta, que deseja escapar dali desesperadamente. Sua realidade muda com o aparecimento de uma estranha tartaruga.
“Uma ilha deserta, um náufrago, um barco improvisado e uma tartaruga vermelha, estes são os elementos primários que compõem este belíssimo filme francês.”
Direção Michael Dudok de Wit Estreia no Brasil  2 de fevereiro




Caixa do Correio # 21 ( Especial )

1. Manhã de sol florida, cheia de coisas maravilhosas – Alécio Faria I 2. Vivir adrede – Mario Benedetti 


Vivir adrede


O livro se compõe em 3 partes : Viver , Intencionalmente , coisas inúteis:
Em Viver, Benedetti une o título ao tema e  faz reflexões sobre sua vida.

Em Intencionalmente, ele nos mostra contos curtíssimos com anedotas.

Em Coisas inúteis, é impossível não rir com suas frases.
Ótimo livro,  o conteúdo se devora em poucas horas. 




Manhã de sol florida, cheia de coisas maravilhosas.
( lançamento Editora Selo Jovem * )
Conta a história do uruguaio Miguel Martinez que tardiamente consegue realizar o sonho de conhecer o Rio de Janeiro. Mas para um estrangeiro solitário, a vida parece não ter muita graça na cidade maravilhosa. Isso  até ele encontrar com a repórter  Ana Clara Pernambuco.
Morando num país periférico, belo e exótico, porém esquecido e marginalizado pela ditadura militar dos anos 70, Ana Clara o envolverá numa arriscada investigação sobre a indústria de bebidas.
BLACK FRIDA…

" Manhã de Sol Florida, Cheia de Coisas Maravilhosas ", ganhando vida na gráfica.

Editora Selo Jovem Saiu a prova impressa do livro " Manhã de Sol Florida, Cheia de Coisas Maravilhosas.
Autor Alécio Faria. Olha que lindo! 😍💕


El compañero por Mario Benedetti

Nunca fui fumador, salvo en una ocasión, em Cuba. Habíamos ido a visitar una fábrica de habanos y a todo costa querían que yo me estrenara con uno de esos tremendos charutos. Por fin accedí, y como buen inexperto, tragué el humo y por supuesto me desmayé. Estuve más de una hora inconsciente.
Cuando empecé a recuperar el sentido, pero todavía sin abrir los ojos, lo primero que oí fue el comentario preocupado de uno de los cubanos: “ Parece que el compañero se nos murió “ -  Libro Vivir Adrede ( Mario Benedetti )

Dia das Bruxas ( ou quase isso ! )